Meu Perfil
BRASIL, HomemContato: yurikoch@hotmail.com




 Dê uma nota para meu blog


 Asian Fury
 Bakemon
 B Movie Blues
 Boteco Sujo
 Mondo Paura
 Mundo Cane Blogspot
 Pornochancheiro
 Pornografista
 Revista Zingu
 Vá e Veja
 Violão, Sardinha e Pão
 Xmaniac





Necrofilmes: Obscuridades da 7º Arte


Mestre Sady Baby

 

 

Nesta semana ocorreu um fato de enorme repercussão na TV, na Internet e nos meios sociais. Sim, é óbvio que estou falando da entrevista do mestre Sady Baby no programa Superpop.

Necrofilmes repudia com veemência qualquer programa televisivo. Mas abri exceção naquele dia, somente para presenciar a performance do mestre Sady no programa Superpop. 

Mestre Sady Baby possivelmente é o maior gênio do cinema nacional e (por que não?) mundial que já habitou a face da Terra. Polêmico, odiado por muitos, amado por poucos, mestre Sady deixa sua impactante marca pessoal por onde passa, seja na 7ª Arte, seja na televisão.

O notável diretor, fazendo uma rápida passada biográfica, nasceu com o nome de Sady Plauth, em Erechim, cidade gaúcha, no ano de 1954. Na época áurea do cinema de sexo explícito tupiniquim, durante a década de 80, dirigiu obras-primas a nível de Ônibus da Suruba, Meninas Virgens e P..., Emoções Sexuais de um Jegue e No Calor do Buraco. Este último um dos mais polêmicos e controversos já realizados. Há pouco tempo atrás, diga-se de passagem, mestre Sady apareceu na TV afirmando que a ex- Big Brother Antonela era sua stripper.

A banca de jurados do Superpop, se assim podemos dizer, que confrontou o mestre, parecia mais saída de um circo: uma modelo que só abriu a boca algumas vezes (para falar merda), um velho chamado Padre Inácio (segundo ele, professor universitário de ética, mas se comportou de modo marginal), um pseudo-médico metido a intelectual, e um traveco horroroso e repugnante, que mais parecia uma mistura de árvore de Natal com marciano.

A própria Lucian(t)a Gimenez era um espetáculo à parte. Necrofilmes chegou a ficar constrangido com as perguntas que esta notável apresentadora emitia ao mestre. Um exemplo: perguntou se o mestre já contraiu alguma doença sexualmente transmissível, ao que o cineasta afirmou que nunca. Depois Gimenez retruca:

– Nem uma pulga?

Mestre Sady, sempre esperto e senero, responde com maestria:
 – Pulga não é sexualmente transmissível!  

Mestre Sady, mesmo tendo pouca escolaridade, dada as condições sociais de vida de nosso povo, foi o que mais eticamente se comportou, nunca baixando o nível ou agredindo os jurados. É um exemplo a ser seguido. Ele tem opinião firme, consistente, racional. Mesmo que às vezes cause extrema controvérsia. Algumas polêmicas do mestre no debate televisivo da Rede TV:

– Perguntado de que forma se deu o inicio de sua vida sexual, mestre Sady, como legítimo representante da população do interior do Brasil, respondeu que foi através de uma relação galinácea.

Por causa disso, foi motivo de esculhambação por parte dos jurados. Mal sabem esses jurados cretinos os fatores socioeconômicos aí embutidos, como a própria desestrutura familiar das famílias campestres, a escassez de mulheres, a precariedade higiênica e sanitária, a pobreza e a falta de conhecimentos para poder discernir sobre tal ato, que, de uma visão urbana, é espúria.

– Confrontado por Lucian(t)a Gimenez sobre a quantidade de filhos que tem, o mestre afirmou que era por volta de uns 30, 32. Foi novamente motivo de críticas por parte da platéia e dos jurados. A própria Lucian(t)a Gimenez se manifestou, dizendo que era para o mestre usar camisinha.

Pelo amor de Deus! Quem é Lucian(t)a Gimenez para mandar mestre Sady Baby usar camisinha? Ela mandou o jurássico roqueiro Mick Jagger usar camisinha por acaso? Que credibilidade tem ela para mandar os outros usarem preservativos? Uma mulher que engravida de um roqueiro milionário e depois de um dos donos da Rede TV, na qual trabalha. A propósito, quem não tem um filho espalhado por aí que atira a primeira pedra! O Lula tem, o Pelé tem, e até mesmo o Fernando Henrique Cardoso. Aliás, a mãe do filho de FHC é jornalista da Globo. Para que não houvesse um escândalo nacional, a todo-poderosa emissora mandou ela ser correspondente do Jornal Nacional na Europa...

Voltando ao mestre, vamos continuar. Mestre Sady é um legítimo representando do hedonismo, aquela pessoa que vive para sentir os prazeres da vida. Fruto da ideologia do Carpe Diem, expressão que traduzida significa “Aproveite o dia”. Mestre Sady faz isso na prática. A vida é para ser vivida.

Agora apresento a parte mais polêmica do programa. Indagado se manteria relações sexuais com sua filha em um provável filme futuro, mestre Sady afirmou que sim. Para defender a conduta do mestre, eu faço uso de argumentos oriundos da própria doutrina eclesiástica, referente à Igreja Católica Apostólica Romana. Lá vai meu argumento: Se todos nós somos filhos de Deus, a humanidade é fruto de uma grande orgia incestuosa! Logo, pelo olhar cristão-divino, não há pecado por parte do mestre.

Vale salientar que estas condutas são somente do mestre. Eu não os faço. Sou apenas o advogado do mestre, que é um gênio e um grande cineasta.

Os verdadeiros gênios se eternizam na história. São seres atemporais, costumam ser incompreendidos pela humanidade, sempre alienada no ócio. Mestre Sady Baby è gênio. Quem discordar eu meto bala! Mais informações clique aqui.

 



Escrito por Yúri Koch às 20h14
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]